Os impactos da difusão da Inteligência Artificial na educação de nível médio

Os impactos da difusão da Inteligência Artificial na educação de nível médio

Com o advento da pandemia causada pela Covid-19, estudantes e educadores de todas as partes do mundo sofreram com o fechamento das instituições de ensino.  Mas será que todos os países foram afetados igualmente? Segundo relatório “The State of the Global Education Crisis: A Path to recovery” realizado em dezembro de 2021 pela UNESCO, embora o prejuízo ao ensino tenha ocorrido de maneira generalizada, alguns países tiveram melhor desempenho educacional que outros por implementarem, rapidamente, sistemas de tecnologia como inteligência artificial em resposta à crise que se instalava. 

Neste relatório, ficou clara a forte tendência da implementação de metodologias tecnológicas no ensino, tanto para reverter os prejuízos acumulados durante a pandemia, como para incentivar os alunos no processo de adquirir conhecimentos, especialmente no que diz respeito à adoção da inteligência artificial no sistema de ensino, assim resultando em um novo conceito de avaliação. 

Neste artigo, entenda como a inteligência artificial pode impactar na educação do nível médio dos brasileiros. Além disso, observe como essa tendência tem se fortalecido, a exemplo dos principais países e empresas que a têm adotado no fortalecimento do aprendizado personalizado. 

IA na automação do ensino


Grandes empresas baseadas em inteligência artificial têm estudado e desenvolvido ferramentas de IA na área do ensino ao longo dos anos. A IBM, grande instituição referência em informática, é um forte exemplo disso. Em 2019, em conjunto com um dos maiores grupos de educação do mundo, a Pearson, a IBM transformou sua IA em um tutor de facilitação de aprendizagem.

Essa ferramenta personaliza as experiências digitais de acordo com cada perfil de estudante. Sendo assim, além de auxiliar o aluno de forma mais assertiva na absorção de conteúdo, também serviu para os professores entenderem como ajudar ainda mais os alunos, de acordo com os dados coletados pela IA. 

O uso da inteligência artificial tem sido aplicado desde o ensino básico, como um brinquedo de dinossauro que incluía a IA Watson para auxiliar o desenvolvimento cognitivo das crianças, até o ensino médio. 

A China em 2020, por exemplo, começou um teste usando uma headband para monitorar o nível de concentração dos alunos durante a aula. O intuito era ajudar os professores a aprimorarem suas instruções a partir dos dados coletados por essa IA.

Sendo assim, embora tenham surgido alguns questionamentos acerca da privacidade e geração de dados a partir dessa tecnologia, cada vez mais as empresas de IA e da área de educação têm investido em instrumentos para inserir a tecnologia no ambiente acadêmico dos alunos. 

No Brasil, segundo relatório da UNESCO junto ao MEC de 2021, foi apresentado a importância da IA na educação técnica de nível médio, bem como a forma de preparar a infraestrutura para a incorporação desse projeto, com as seguintes sugestões:

  • 1. Ampliação de oferta de conteúdos de IA no itinerário da educação profissional a partir de uma reforma do ensino médio;
  • 2. Incorporação da programação e análise de dados e gráficos no desenho curricular de todos os cursos técnicos de nível médio;
  • 3. Oferta de cursos de especialização nas atividades ocupacionais que dizem respeito ao aspecto técnico da IA;
  • 4. Oferta de cursos para ocupações que serão mais ou menos impactadas pela IA, de modo a evitar a defasagem e exclusão do mercado de trabalho.

Inteligência artificial e a curadoria de conteúdos educacionais


A curadoria de conteúdos educacionais é outro processo importante dentro do sistema educacional. Segundo artigo publicado por David James Clarke IV, a pesquisa e compartilhamento de conteúdos educacionais podem ser facilitados usando ferramentas de IA corretas.

Para Clarke, a IA, deve ser direcionada para fontes de informações corretas e confiáveis. E assim, pode acelerar o processo de coleta de conteúdos que serão passados para os estudantes. Após essa triagem de material, a IA também pode ajudar a criar análises que indicam, por exemplo, a eficácia do material, avaliação dos estudantes, uso bruto do banco de dados, compartilhamentos e likes deixados em fontes específicas. Além disso, é possível avaliar o nível de compreensão do estudante.

Além da IA funcionar como uma ferramenta “concentradora” de recursos educacionais, ela também pode entregar conteúdos personalizados a depender do perfil de cada estudante. Dessa forma, todos esses recursos ajudam no processo de aprendizagem dos jovens e os incentiva a estudarem, atrelando inovação e tecnologia com o conhecimento tradicional. 

Por fim, embora a IA ajude na aprimoração da curadoria de conteúdo educacional, também é necessário pensar em estratégias que façam o estudante sair da sua zona de conforto de interesse. Para que dessa forma, ele possa conhecer e aprender muito mais do que normalmente ele teria acesso. 

A Ubistart também vê um grande potencial na evolução de metodologias educacionais usando novas tecnologias. Por isso, estamos sempre comprometidos em gerar impacto positivo em nossos produtos digitais para diversos setores, inclusive educação. Acesse o nosso site e saiba mais!

Acompanhe nossa newsletter!

Acompanhe nossa newsletter!

Conteúdos por Segmento

Ao navegar neste site, você aceita os cookies que usamos para melhorar sua experiência. Mais informações.

Ao navegar neste site, você aceita os cookies que usamos para melhorar sua experiência. Mais informações.